Nota de Repúdio – Abraão Reis da Paz (Canal Voz da Verdade)

A educação pública paraense, que atende a esmagadora maioria da população trabalhadora e carente, assim como no restante de todo o Estado do Pará e em todo território brasileiro, se apresenta como um dos maiores (para muitos a maior) desafios a serem superados e tornar-se, cada vez mais, enquanto um dos mecanismos estratégicos de combate à ignorância, pobreza, desigualdades e promoção da emancipação social-econômica das classes populares.

O município de Acará, como os demais 143 municípios paraenses, apresenta desafios em todos os setores sociais: infraestrutura, saúde, segurança, trabalho, educação, etc. É fato que avanços foram alcançados, mas a maioria dos desafios ainda persiste.

Dada sua posição geográfica fronteiriça com vários outros municípios, inclusive sua proximidade com a Região Metropolitana, o município de Acará tem atraído pessoas das mais diversas partes do Estado, do Brasil e de outros povos, que escolheram esta parte de nosso Estado para desenvolver alguma atividade, seja para lazer, trabalho, viver… Assim, o município tem na composição de seus segmentos pessoas da mais variadas qualificações, funções e opções sociais, políticas, religiosas, comerciantes, trabalhadores da iniciativa privada, servidores públicos, etc.

Dentre os sujeitos que escolheram o município de Acará, para desenvolver suas qualificações profissionais, destacamos a pessoa da servidora pública municipal da Sra. VILMA ELIANE PANTOJA, professora concursada e efetiva da Secretaria Municipal de Educação, lotada na disciplina Geografia na Escola Municipal de Ensino Fundamental Geraldo José de Lima, que atende cerca de 13 comunidades no entorno do Km 32 da Alça Viária, com a Rodovia TransAcará.

A referida professora, pela característica de sua formação acadêmica e considerando as demandas existentes no município de Acará, além de atuar em sala de aula, também, se faz presente nos processos democráticos de debates e proposições acerca das problemáticas vivenciadas pelas comunidades, mas precisamente aquelas ligadas aos Direitos Sociais: Educação Pública Gratuita e de Qualidade, Saúde como Bem-Estar Universal, Meio Ambiente, Direitos Humanos, etc.

A trajetória profissional da professora Vilma Pantoja na educação pública acaraense pode ser registrada tanto por sua atuação docente (acompanhando a formação de alunos do Ensino Fundamental, passando pelo Ensino Médio, até o ingresso desses no Ensino Superior) como pela própria história da Escola Geraldo José de Lima, cuja ampliação de sua estrutura física (luta por construção de mais salas de aulas), deve-se, em parte, a atuação da referida professora juntamente com alunos, responsáveis, lideranças comunitárias e gestores escolares, como professora do Ensino Médio Modular e colaboradora nas demandas técnico-administrativas.

Durante o período de pandemia, a realidade educacional que já era desafiadora fora agravada. Mas, com a experiência de atuação em comunidades e compreensão de que somente a somatória de forças é capaz de fazer enfretamento à altura dos desafios, a professora Vilma Pantoja, apesar da luta pessoal contra problemas de saúde, não se furtou e continuou atuante. 

Infelizmente, para a surpresa da referida professora, da comunidade escolar e da comunidade em geral, no dia 29/03/2022 foi postado, via rede social Facebook, de autoria do Sr. ABRAÃO REIS DA PAZ, “CANAL VOZ DA VERDADE”, uma “denúncia” contra a professora Vilma Pantoja, sob a alegação “crime de constrangimento e apologia aos partidos de esquerda contra os alunos da Escola Geraldo José de Lima, cometido pelos professores Vilma Pantoja e professor Messias Pedro Teixeira da Silva”.

Na oportunidade, esclarecemos que o referido denunciante, sem provas e fundamentado tão somente na posição política extremista que defende os valores da “Escola Sem Partido”, Projeto de Lei reprovado no Congresso Nacional e tese considerada inconstitucional pelo STF, que “fere o princípio do pluralismo das concepções pedagógicas, da escola como espaço democrático de formação para a cidadania, e o livre exercício de expressão”. Esclarecemos, ainda, que é o denunciante autor de ato ilícito, comprovado através de Processo Nº 00189985920138140401, Secretaria da Vara de Combate ao Crime Organizado, do Tribunal de Justiça do Estado do Pará – TJE-PA.

O suposto “denunciante” e réu, representa segmentos reacionários e fascistas no cenário político brasileiro, que, por meio de propagação de notícias falsas (fake news), ameaças, intimidações e até atos violentos, buscam calar a voz daqueles que pensam baseados em valores democráticos, livres e republicanos.

Informamos que através do setor jurídico deste Sindicato as medidas cabíveis contra o “denunciante”/réu que praticou ataque à liberdade da docência e à honra dos professores injustamente “denunciados” (dentre outros crimes) estão sendo tomadas e os responsáveis responderão por seus atos, tanto no âmbito policial quanto no judicial.

Assim, considerando as trajetórias profissionais e a compreensão da importante atuação dos professores Vilma Eliane Pantoja e Messias Pedro Teixeira da Silva, o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação Pública do Estado do Pará – SINTEPP vem a público manifestar seu TOTAL E IRRESTRITO APOIO AOS PROFESSORES e REPUDIAR toda e qualquer forma de intimidação contra o compromisso com a educação para o exercício da cidadania e da emancipação social.

Não nos intimidarão!

Não nos calarão!

Censura nunca mais!

Ditadura nunca mais!

© Copyright SINTEPP

Desenvolvido por Netozip

Receber informativos exclusivos

Cadastre-se para receber nossos boletins informativos, aviso de lives e reuniões do SINTEPP

Também não gostamos de SPAM, fique tranquilo, seus dados estão guardados de forma segura e utilizaremos exclusivamente para enviar nossas novidades.