SINTEPP Irituia volta a questionar má gestão municipal e letargia do Judiciário  

Poder Judiciário justifica que “Token” vencido o impediu de decidir sobre os Mandado de Segurança do Sindicato.

Na semana passada a Assessoria Jurídica do SINTEPP esteve no Fórum de Irituia para acompanhar audiência de conciliação, onde a prefeita do município, Carmelina Costa, acusa nossos coordenadores de crime por chamarem a mesma de caloteira por passar quase três meses sem pagar os salários no ano de 2018.

Na oportunidade, nossa Asjur também questionou o Poder Judiciário o porquê da demora em julgar o Mandado de Segurança Coletivo de nosso Sindicato, haja vista que o mesmo está pronto para ser julgado desde 22 de abril de 2019.

O Juiz da Comarca municipal alegou que seu Carimbo Digital (Token) está vencido e isso o tem impedido de decidir, haja vista que o processo é um Processo Judicial Eletrônico/ PJE, o qual precisa desse tipo de assinatura.

Lembramos que, desde fevereiro deste ano, nossos professores estão sofrendo devido à redução salarial imposta pela prefeita de Irituia.  Por isso, É URGENTE que o Poder Judiciário faça sua parte, resolva essas burocracias e julgue a causa dos trabalhadores.

A GESTÃO QUE PERSEGUE É A MESMA QUE PATROCINA A ILEGALIDADE

O SINTEPP Irituia tem sofrido com os constantes ataques do governo municipal contra a categoria, mas não desistirá da luta por justiça e direitos de seus filiados. Informamos a sociedade irituiense que não desistiremos, não fecharemos as portas e de maneira alguma, nos renderemos à pressão da gestão. Continuaremos fazendo o nosso papel com responsabilidade e não nos calaremos frente aos absurdos cometidos por nossos governantes.

A próxima denúncia a ser feita por nosso Sindicato será referente aos novos concursados. Nesse caso, professores que não estão em regência de classe, encontram-se em espaços pedagógicos, e em muitos casos, não desenvolvem qualquer atividade, enquanto que, outros com graves problemas de saúde são submetidos pela gestão a ir para a sala de aula. Ressaltamos que, os novos concursados estão em estágio probatório, e por lei devem estar em regência de classe, ou seja, ministrando aulas com alunos.

Aos que lutam por direitos, as penalidades. Aos aliados do governo, as regalias. Esperamos que a justiça seja feita, pois é imoral que alguns sejam sacrificados enquanto outros se quer assumam uma sala de aula.

Coord. Geral – Sintepp Irituia

netozip

Read Previous

Previdência Pública em pauta na ALEPA

Read Next

Informativo SINTEPP Breves – Junho/2019