NOTA SINTEPP – SUBSEDE JACUNDÁ

AVALIAÇÃO E DESDOBRAMENTO DA SUSPENSÃO DA GREVE

A Coordenação do Sintepp – Subsede Jacundá – reuniu-se na tarde do dia 27/02 para avaliar e encaminhar sobre os desdobramentos da suspensão da greve,
ocorrida na última assembleia por decisão dividida. Foram 14 dias de intensas lutas na defesa dos direitos da nossa categoria, que desde meados de novembro de 2018, vem sofrendo com medidas impostas pelo governo que lesam nossas conquistas garantidas em nossas leis, e que incidem direta e indiretamente nos nossos meios de sobrevivência: NOSSA JORNADA DE TRABALHO, NOSSOS SALÁRIOS, NOSSA VIDA FUNCIONAL!

Lutamos contra a intransigência de um governo irredutível à flexibilização de outras alternativas menos danosas aos nossos educadores. Um governo que deveria zelar pela impessoalidade na gestão pública, principalmente, no tratamento e respeito a uma entidade representativa, legítima e que tanto contribuiu e contribui para o desenvolvimento da educação e dos direitos dos educadores deste município.

Foram dias incansáveis de desgaste, humilhações e desmoralização ocasionados pela irredutibilidade de uma gestão que, insistentemente, desconsidera a importância da organização sindical e a legitimidade de suas lideranças constituídas com amparo legal.

Nossa greve foi suspensa em decorrência de fatos que colaboraram para a não sustentação do movimento grevista, visivelmente observados em assembleia, bem como corroborados pelas ações da gestão municipal, que ao longo do período de greve buscou criminalizar as ações da categoria; ludibriando a opinião pública; não reconhecendo as lideranças a frente do Sindicato; ameaçando o desconto dos dias de greve, entre outros.

A realização da última reunião com o governo, que culminou na suspensão da greve, foi um dos fatos bastantes questionados pela categoria. A princípio, através de uma intervenção da Câmara de Vereadores, a referida reunião aconteceria com os representantes do Sindicato Toni Gomes – Coordenador Geral, Vanildo Pereira – Coordenador da Subsede e Regional, Danielle Rocha –  Coordenadora da Subsede, Beto Andrade – Coordenador da Estadual e teríamos também a presença da Assessoria Jurídica do Sintepp. Isso depois de muita insistência da Coordenação do Sintepp junto aos vereadores e líder de governo na última sessão da Câmara, pois o prefeito e a secretária de educação se recusavam a receber os dirigentes de frente do Sindicato.

No dia da reunião, agendada para as 13 h na Câmara de Vereadores, os representantes do Sindicato acima citados estiveram presentes aguardando o  governo. No entanto, foram informados pelo líder de governo, Vereador José Wilson, que a secretária de educação não poderia se fazer presente em decorrência de problemas de saúde, mas que se comprometeria com a presença do prefeito, fala reforçada pelo presidente da Câmara, vereador Cleyton da Nonô.

Com isso, depois de algumas horas de espera, fomos informados pela liderança do governo que o prefeito atenderia somente o representante da Estadual, o Srº Beto Andrade e o advogado do Sintepp Srº Anilson Russi, pois não estaria disposto a dialogar com a coordenação local do Sintepp. Toni Gomes, Vanildo Pereira e Danielle Rocha entendendo a situação delicada do memento acataram a imposição do governo e então somente o coordenador geral do Sintepp estadual e o advogado da categoria foram ao encontro com o prefeito. Porém, no início da reunião, após o coordenador Beto fazer a ponderação da importância de estarem presentes na reunião coordenadores locais do Sintepp, pois os mesmos teriam o domínio da pauta a ser discutida, o prefeito foi enfático ao reafirmar que não receberia os referidos coordenadores, pois estes são radicais e induzem a categoria.

Chegando ao local da reunião, o Posto do Prefeito, tanto o Beto quanto o Anilson foram surpreendidos com a presença dos coordenadores Juedson Viana, Ana Clelia, Israel Soares e Antônio Filho, fato este não esclarecido e muito menos informado à categoria, à coordenação ou ao Comando de Greve. Estes coordenadores não tiveram o aval e nem o conhecimento das instâncias deliberativas
do Sindicato e do movimento grevista, como por exemplo o Comando de Greve.

Somente pela necessidade de argumentar as nossas proposições com conhecimento de causa é que o prefeito, após pedir permissão aos 04 coordenadores, permitiu que fosse chamado o coordenador Vanildo Pereira. Desta forma, a única proposição vencida e apresentada pelo governo foi o aumento da jornada do professor de 125 h para 133 h, com a garantia do plano;
retorno das 06 horas corridas para o pessoal de apoio; reabertura da mesa de negociação e o não desconto dos dias de greve.

Isto posto, foi apresentado em assembleia bastante tumultuada, em decorrência dos fatos já descritos, mas, principalmente, pela não compreensão, por parte da categoria, da participação dos coordenadores na referida reunião sem o conhecimento e consentimento do movimento grevista e sem o conhecimento sequer de quais direitos poderiam ser flexionados no processo de negociação, o que causou revolta na categoria que de forma imediata solicitou a coordenação da Subsede que tomasse as medidas cabíveis de punição aos mesmos sob a ameaça de o Sindicado
sofrer um grande processo de desfiliação.

Com isso, os coordenadores reunidos para avaliação dos desdobramentos da greve repudiaram a atitude dos quatro integrantes da coordenação deste sindicato, refletindo a opinião da categoria que não entendeu e nem aceitou o fato em desconformidade com os encaminhamentos tirados em reuniões do Comando de
Greve e Assembleias em Atos Públicos.

É importante ressaltar que, mesmo diante da conjuntura desfavorável, a categoria entendeu e votou, em decisão dividida, pela suspensão da greve. A Coordenação do Sintepp e o Comando de Greve avaliaram como positiva a referida decisão, principalmente pelo avanço do retorno das 06 horas para o pessoal de apoio, que incansavelmente, tem sido pauta presente nas nossas mesas de negociação, sendo na câmara de vereadores e governo, como também na justiça, inclusive nas poucas audiências com o Ministério Público que o prefeito compareceu.

Portanto, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará – Sintepp – Subsede Jacundá – esclarece a sua categoria que fatos isolados, sem a anuência de sua base e coordenação, na tentativa de dividir a nossa organização, serão repudiados e denunciados a instâncias superiores, uma vez que cabe aos coordenadores a obrigação de zelar pelo cumprimento do nosso estatuto, com respeito as instâncias deliberativas e, principalmente, agindo com Transparência nas ações de luta que visam a garantia dos direitos conquistados.

Reunião de Coordenação do Sintepp Subsede Jacundá realizada no dia 27 de fevereiro de 2019, às 16h30.

Coordenadores presentes:
Toni Gomes, Danielle Rocha, Francilene Rocha, Cirlene Cabral, Seli Gomes, Severiana da Conceição, Silvana Barnabé, Romário Aguiar, Charles Cristier, Lucirene Meira, Joaldo Machado, Maria Regiane, Maria Luzia, Edimar da Silva, Enoque França, Janes Cruz, Rosenildes Almeida.

netozip

Read Previous

SINTEPP REÚNE COM GOVERNO PARA DISCUTIR O PAGAMENTO DO PISO

Read Next

Helder, MUNDIAR é menos qualidade e menos professor em sala!