Greve da UEPA resiste e movimento avança nos Campi

O movimento paredista iniciou após assembleia geral dos servidores públicos do Estado em Belém na segunda quinzena de maio,  e entre as principais pautas de reivindicações estão as péssimas condições de infraestrutura e trabalho e o não reajuste para os servidores da Universidade do Estado do Pará (UEPA).

Na capital paraense e nos demais municípios a greve vem se fortalecendo e está organizada, com a realização diária de reuniões por local de trabalho, ocupações, aulas públicas, debates e seminários. Já confirmam paralisações e adesão estudantil ao movimento,  além da Região Metropolitana, os Campi do Moju, Barcarena, Vigia, Paragominas e São Miguel do Guamá, por exemplo.

Especificamente as (os) servidoras (es) da UEPA reivindicam:

  1. Revisão do PCCS;
  2. Ampliação de vagas imediatas para as categorias de Especialista, Assistente, e Adjunto;
  3. Revitalização e maior investimento na UEPA;
  4. Reajuste salarial de 11,36% com base no índice do piso nacional;
  5. Revisão da portaria de lotação com vistas a garantir o equilíbrio entre o ensino-pesquisa-extensão;
  6. Prestação de contas do plano de aplicação do recurso de investimento conquistado na greve de 2015 para ações emergenciais nos campi;
  7. Eleições diretas e paritárias para Reitor com o fim da lista tríplice;
  8. Autonomia econômica, política e didático-pedagógica para a Uepa.

Em Belém as atividades estão ocorrendo no CCBS, CCSE e CCNT e departamentos. Nesta terça-feira (7) houve pela manhã assembleia dos técnicos no CCBS e a tarde aula pública no CCSE, com o tema Financiamento da UEPA. No dia de hoje ainda no Campus de Igarapé-Açu também ocorreram ações da greve. Veja a agenda de mobilização para o período de 08 a 10|06:

08|06 – Quarta-feira

– Atividade Campus de Igarapé –Açu

– Atividade Campus de Moju

– Atividade Campus de Barcarena

– Atividades Belém:

*9h: Seminário “Contra a Escola sem Partido e BNCC: em defesa da democracia”,  no Auditório do CCSE, expositoras as professoras doutor Olgaíses Maués, diretora do ANDES-SN, e Luciene Medeiros, secretária-geral da ADUFPA e coordenadora do Grupo de Trabalho de Políticas Educacionais (GTPE) da entidade. Atividade conjunta com Sintepp, Andes-SN e Adufpa.

 *10h: Aula aberta – O pensamento revolucionário de Nise da Silveira, com a Drª e Terapeuta Ocupacional Ingrid Oliveira, na Cantina do CCBS.

*14h: Mobilização Cultural – Roda de conversa: “Trabalho docente, trabalho doente”, com Rodolfo Valentim. “Movimentos sociais e a importância dos sindicatos”, com Pedro Palheta, na Cantina do CCBS.

09|06 – Quinta-feira

*9h – Aula aberta – Universidade: um espaço de cultura de paz? com Terapeuta Ocupacional Karla Aíta, na Cantina do CCBS.

*11h – Reunião do Comando de greve.

*16h – Aula Pública. Tema: Financiamento na UEPA, no CCNT.

10|06 – Sexta-feira

OCUPA CCBS: Atividades culturais

*8h – Dança Circular

*10h30 – Roda de conversa: “Corpos em cena: discutindo violência e cultura Dio estupro”, com a participação de Alessandra Nogueira, Bruna Cavalcante, Josianne Dias e Zeneide Santos.

*14h – Roda de conversa: “A noção de profanação em Agamben e a Ação política”, com o Dr. e Terapeuta Ocupacional Lucivaldo Araújo.

#Serão disponibilizadas ainda Oficinas, sarau e banho de cheiro, dentro da programação cultural.

Geisi Dias

Read Previous

Sintepp realizará seu II Encontro Estadual de Comunicação Sindical – Inscrições Encerradas

Read Next

1º de julho: Festa junina do Sintepp

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *