Paralisação na Escola Bosque contra o abandono da fundação

 
Foi realizada no dia 24 de fevereiro, a primeira assembleia geral dos trabalhadores em educação da FUNBOSQUE, na qual ficou definido como encaminhamento de luta o pagamento do Piso Salarial Nacional do Magistério conforme a Lei do Piso 11.738/2008, que o governo Zenaldo não cumpre. Outro ponto de pauta discutido foi o abandono estrutural e administrativo pela qual passa a Escola Bosque e seus anexos das ilhas no entorno de Belém, o que mostra que a educação pública no município de Belém é secundarizada pelo atual governo, que sofre com os ataques da políticade desvalorização profissional e sucateamento das unidades escolares de ensino pertencentes à fundação. Os presentes à assembleia não satisfeitos com a tentativa de justificativa da direção da Funbosquedeliberaram por uma paralisação no dia 03 de março, para acompanhar os debates e encaminhamentos e para exigir o cumprimento de seus direitos pelo governo Zenaldo.
ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA FUNDAÇÃO ESCOLA BOSQUE)
 
ENCAMINHAMENTOS DA ASSEMBLEIA GERAL DA REDE MUNICIPAL DO DIA 24 DE FEVEREIRO
Os (as) trabalhadores (as) em educação da rede municipal de Belém, reunidos em assembleia geral, (24/02), deliberaram sobre os seguintes encaminhamentos:
1. Organizar a categoria para pressionar a Semec a não fechar o EJA e o turno intermediário nas escolas da rede, garantindo condições de escolarização a alunos e manutenção da carga horária de professores e funcionários;
2. Ato público e audiência no Ministério Público Estadual, amanhã (25), às 11 horas para tratar do tema: fechamento do EJA e do turno intermediário nas escolas da rede;
3. Construir e organizar o dia 15.03, como dia de paralisação unificada de todas as categorias/servidores municipais (com audiência na Semec e PMB);
4. Participação dos trabalhadores em educação e de todas as categorias municipais na sessão pública da CMB que irá debater o projeto de lei do prefeito Zenaldo que extingue cargos da PMB e que visa terceirizar serviços públicos municipais no dia 01.03;
5. Organizar ato público na Semec (com data a definir) para tratar do tema insegurança nas unidades escolares da Semec;
6. Organizar Seminário com a categoria para debater a construção do PCCR unificado dos trabalhadores da educação;
7. Cobrar do prefeito Zenaldo o pagamento do piso salarial do magistério e do reajuste integral do salário mínimo dos servidores da educação de Belém.
escola_bosque

Sintepp Sindicato

Read Previous

SINTEPP VAI PROCESSAR ESTADO E MUNICÍPIOS POR ASSALTOS EM ESCOLAS

Read Next

Manifesto contra a militarização e contra a privatização da escola pública por meio de Organizações Sociais (OS)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *