Pressão da categoria derruba Secretário de educação, Helenilson Pontes

O dia 24/9, não será lembrado apenas pela grande manifestação realizada na manhã de hoje, mas também pela queda do secretário de educação, Helenilson Pontes.

Cerca de mil servidores estaduais, a maioria trabalhadores e trabalhadoras da educação, participaram na manhã de hoje de uma grande manifestação que saiu do Centro de Convenções Hangar e se dirigiu à sede do governo estadual para tentar uma audiência com Simão Jatene e sua equipe, para discutir o Decreto 1.347, que retira direitos dos servidores públicos, a suspensão de contratação de temporários e também da aprovação de Planos de Cargos, Carreira e Remuneração – PCCR’s, além da pauta específica da educação.

Além do Sintepp estiveram presentes outras entidades representativas dos servidores e servidoras estaduais, dentre as quais: a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB, Sepub, Sindfepa, Federação dos Servidores Públicos do Pará, Sintepa, Stafpa, Sinaspa e Associação dos Servidores da Santa Casa.

Indiferente à solicitação oficial, de audiência, feita pelo Sintepp, o governo Simão Jatene insiste numa posição intransigente, e a comissão de trabalhadores e trabalhadoras criada para a tão esperada audiência foi recebida pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar. Segundo um porta-voz do governo, o governador não se encontrava no prédio e não havia ninguém em condições para receber e responder aos membros da comissão.

O objetivo em buscar a audiência com o governo Simão Jatene, era o de debater questões importantíssimas e ainda pendentes desde a suspensão da greve de 73 dias ocorrida no primeiro semestre: a garantia de reposição dos dias parados e a consequente manutenção do calendário escolar de 200 dias letivos, tal como obriga a LDB, mediante a suspensão imediata dos descontos salariais e a devolução do que já foi subtraído indevidamente dos nossos salários.

Tão urgente e necessário é o debate sobre a violência gritante e as péssimas condições de trabalho e aprendizagem. Defendemos que o governador assuma sua responsabilidade com o caos em que estamos afundados.

Todos os índices sociais em nosso estado figuram entre os piores do país. Isso comprova a incapacidade administrativa e política do governo Jatene, que abandonou à própria sorte toda a população.

A notícia mais importante do dia, que esperamos foi que a exoneração de Helenilson Pontes, resulte numa mudança significativa na gestão da Secretaria de Educação, cuja passagem pela Seduc foi marcada por uma série de problemas e crises no trato com a nossa categoria, bem como possíveis indícios de superfaturamento em quase 200 milhões no pregão tendo a empresa BR7 Editora e Ensino Ltda, cujo titular, Alberto Pereira de Souza Junior, chegou a ser preso acusado de fraudes. Por denúncia do Sintepp o governo desistiu do “projeto”.

Nós do Sintepp esperamos que a secretária, Ana Cláudia Hage, educadora de formação, possa enfim compreender que a superação dos problemas que afligem a educação pública do nosso estado, em todos os seus níveis e modalidades, só será possível mediante a combinação de esforços de vários atores envolvidos diretamente com a questão e que a construção de uma educação pública de qualidade, laica, universal e democrática, pressupõe a valorização profissional.

Dia 30/09, terça-feira, nossa Assembleia Geral será lá na Seduc, às 9h e sua participação é importantíssima para que possamos construir um movimento forte em defesa da educação pública e dos nossos direitos e conquistas. Na próxima segunda-feira (28), às 16h00, ocorrerá reunião do Fórum Estadual de Lutas, na Sede do Sintepp (Rua 28 de setembro, n. 510, entre Assis de Vasconcelos e Tv. Piedade).

Vem pra luta!

 

Sintepp Sindicato

Read Previous

Sintepp participa do Dia Nacional de Paralisações e protestos, na UFPA

Read Next

Baixo desempenho do Pará em educação e outras áreas é reflexo do investimento pífio do governo

4 Comments

  • Essa questão da carga horária, foi o “calcanhar de aquiles” desde a época da Rosa Cunha (que tentava limitar em 200 horas sem conseguir na prática e todo mundo sabe o porquê), não se tem notícia dessa tentativa louca de reduzir e tornar exata a carga horária no atual sistema vigente e reduzir salários, só mesmo um sem noção, pra fazer a merd… que fez. No mínimo, pra começar arrumar a casa, tem que voltar as portarias anteriores de lotação, e dispensar esse monte de contratado político desnecessários, aí a coisa começa a serenar e voltar aos eixos.

    • É de se lamentar como tem pessoas que ainda se permitem ser manipulado, sem a menor criticidade. Tenha a curiosidade pelo menos de ler a Lei do Piso…

  • Sem querer ser pessimista e nem perder o senso de realidade, Ana Hage é farinha do mesmo saco de Jatene/Helenilsom, é bom lembrar que está despolítica não é só dos secretários burgueses e sim princípio do governo em questão. Lutar sempre.

  • Simplesmente, palhaçada, uma matéria desta…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *