SINTEPP interpela criminalmente o jornal O LIBERAL

O SINTEPP, ingressou com INTERPELAÇÃO JUDICIAL com PEDIDO DE EXPLICAÇÃO, contra o jornal O LIBERAL, representado por seu editor-chefe LÁZARO MORAES.

Na ação, o sindicato informa que a categoria deliberou sobre a greve, “em resposta a ameaça de redução de salários e pelo não pagamento do piso nacional impostos pelo governo Jatene”. E apresentou ao governo a pauta de reivindicações, inclusive o correto pagamento do piso salarial retroativo a janeiro de 2015.

Afirma que, por outro lado, “o Governo do Pará recusa-se a atender tais reivindicações. E limitou-se a dizer que apenas em abril iria apresentar estudo de pagamento do atual valor do piso salarial aos profissionais do magistério, em claro desrespeito à Lei Federal nº 11.738/2008, que determina que o piso deve ser pago um janeiro de cada ano, no valor estabelecido pelo MEC, que é o de R$ 1.917,78”.

Indiferente a essas questões, o jornal O LIBERAL, do dia 23 de março deste ano, publicou em sua coluna intitulada “Repórter 70”, p. 4, em anexo, a seguinte nota:

TRAPAÇA

Percebe-se que a nota, além de conter informações equivocadas e inverídicas – uma vez que o pagamento do piso salarial dos profissionais da educação não está “praticamente” garantido – é extremamente capciosa, considerando que traz em seu bojo afirmações de forte teor ofensivo à honra objetiva do sindicato.

Diz expressamente que o Sintepp deflagrou uma “greve em favor da trapaça” e “contra as medidas moralizantes tomadas na Seduc”. Estaria, então, valendo-se de um direito constitucional – a greve – para usá-lo de forma ardil, ilegal e ilegítima. Defendendo “a máfia das horas extras mantidas pelos docentes”.

Contudo, a nota jornalística não deixa claro a maneira de como se concretiza essa “trapaça”; quais são as medidas moralizantes tomadas na Seduc, das quais o sindicato se posiciona contrário; e qual a máfia das horas extras mantidas pelos docentes, também defendida pelo Sintepp. DAÍ A NECESSIDADE DA INTERPEÇÃO CRIMINAL.

“O pedido de explicações, segundo decisão do STF, constitui típica providência de ordem cautelar, destinada a aparelhar ação penal principal tendente a sentença condenatória. O interessado, ao formulá-lo, clique aqui invoca, em juízo, tutela cautelar penal, visando a que se esclareçam situações revestidas de equivocidade, ambigüidade ou dubiedade, a fim de que se viabilize o exercício futuro de ação penal condenatória. (Pet 4.854/2010/DF)”.

Desta forma, o jornal O LIBERAL ao afirmar que o sindicato deflagrou uma greve sem motivo para tal, iludindo toda uma categoria para aderi-la, acusa-o de induzir seus filiados a manutenção da “máfia das horas extras” ferindo a imagem integra do sindicato, incorrendo o jornal em crime de calúnia (art. 138); e imputa-lhe fato ofensivo a sua honra objetiva, praticando a difamação (art. 139 CP); e/ou ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro (art. 140 CPC). E o faz de maneira dúbia e carente de explicações.

Na ação, o Sintepp deixa claro que jamais se posicionará contra a liberdade de imprensa, por concebê-la como uma das bases fundamentais da democracia, mesmo ciente da proximidade política que o jornal interpelado mantém com o atual governo do Estado, porém, no caso presente, o jornal extrapolou essa medida e ofendeu deliberadamente a honra do Sintepp e de toda categoria dos educadores estadual. Desta forma, independente do suposto poder que pensa possuir, o jornal O LIBERAL, assim como qualquer pessoa física ou jurídica, também está subordinado aos mandamentos da lei, sob pena de sofrer sanção em caso de sua violação.

Diante disso, o SINTEPP requereu que seja notificado o interpelado, na pessoa de seu Editor-Chefe, para que no prazo de 48 horas, de modo claro e objetivo esclareça o teor da nota jornalística, nos termos seguintes: 1) contra quais medidas moralizantes tomadas na Seduc o Sintepp se posicionou contrário; 2) o que levou o jornal a concluir que o Sintepp deflagrou greve contra essas medidas; 3) Em que consiste a máfia das horas extras mantidas pelos professores; 4) Como ocorre o modus operandi da “trapaça” em que moveu o Sintepp a deflagar a greve; 5) o que levou o jornal a concluir que o Sintepp deflagrou greve contra essa trapaça.

……………………………………..

Além da interpelação, o SINTEPP irá ingressar com ação por danos morais.

(Com informações da Assessoria Jurídica)

Sintepp Sindicato

Read Previous

No terceiro dia de greve mais de 89 municípios parados. Jatene, a educação quer respostas

Read Next

Justiça indefere decisão de agravo impetrada pelo Estado/Seduc contra decisão no caso dos vigias: multa de 5mil por dia

7 Comments

  • Professor que tiver vergonha na cara não compra esse jornal e nem sua familia.

    • Concordo plenamente.

  • Concordo. Não leio esse jornal Liberal há anos e não suporto o Jornal Liberal que passa na TV. Em casa só dá Diário do Pará e Record. Sempre esse lado lado podre da sociedade quer imperar, mas o quadro está mudando pára melhor em prol da Educação brasileira.

  • Penso que a propaganda enganosa do governo Jatene – afirmando que está garantido um excelente salário aos professores, aproximadamente, quatro mil reais para os iniciantes da carreira e, pior, conclamando-aos para que regressarem à sala de aula, deveria ter uma resposta a altura. O sindicato deveria publicar uma nota mostrando toda a verdade e como a tucanalhada quer deixar alunos sem professores efetivos, para contratar e precarizar ainda mais a Educação.
    Com redução de salário, não dá para negociar. Por isso, a greve continua,

  • JÁ ESTAVA NA HORA DE SE BUSCAR JUSTIÇA PARA OS DESMANDOS DESSA MÍDIAS COMPRADA PELO GOVERNO! QUE O SINDICATO NÃO DESCANSE E SIGA ATÉ A ULTIMA INSTANCIA PARA DEFENDER A MORAL DE PROFISSIONAIS JÁ TÃO ACHINCALHADOS INJUSTAMENTE!

  • Eu pensei que essa emissora só mandava aqui em São Paulo, pois ela é bem pior do que qualquer governo. PRAGA!

  • ESSA EMISSORA É UMA PRAGA NACIONAL

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *