Escola Quilombola em Debate – Sintepp Regional Marajó

O presente mini-documentário é o registro síntese do encontro e diálogo formativo sobre “Educação como Direito Epistêmico”, realizado pelo SINTEPP/ Subsede de Portel junto à comunidade Quilombola São Tomé de Tauçú.
Em debate a educação escolar como um instrumento de fortalecimento da cultura local e empoderamento político da comunidade, voltada à sistematização e socialização de conhecimentos que ajudem na formação de crianças, jovens e adultos numa perspectiva associada a estratégias de desenvolvimento e defesa de território da comunidade Quilombola São Tomé de Tauçú.
O evento também foi espaço de denúncia sobre as condições de trabalho e estudo a que estão submetidos professores e estudantes no espaço destinado ao funcionamento da escola na comunidade. A Escola Quilombola sequer possui um prédio próprio e as atividades pedagógicas ocorrem em um barracão da comunidade, sem paredes, ocupado por diferentes turmas ao mesmo tempo, expostas ao sol, ventanias e chuva.
Além da falta de um prédio escolar adequado, a gestão municipal não oferece formação continuada aos professores que atuam na comunidade com atenção a um currículo escolar diferenciado, como prevê a legislação e diretrizes curriculares pertinentes [Lei 10.639/03 e Resolução CNE/CEB nº 8, de 20 de novembro de 2012].
O mini-documentário torna-se assim também um instrumento de informação à toda sociedade sobre como a Comunidade Quilombola de São Tomé de Tauçú e os profissionais da educação que ali atuam têm sido desrespeitados pela administração pública municipal de Portel.
Esperamos que o evento e a produção audiovisual ajudem a fortalecer a luta da população da comunidade por seu direito à uma Educação Escolar Quilombola, pública, digna e de qualidade!

SINTEPP Subsede de Portel
Coordenação de Educação do Campo – SINTEPP Estadual

netozip

Read Previous

Helder, MUNDIAR é menos qualidade e menos professor em sala!

Read Next

Nota Sintepp Subsede Baião