Escolas de Outeiro e Ananindeua exigem segurança e denunciam nova onda assaltos

A comunidade escolar do Outeiro denunciou ao Sintepp que há mais de um mês a Escola Brasília está sem vigilante noturno e que já sofreu assaltos inclusive durante o dia. Sem contar as denúncias anônimas de que gangues se preparam para invadir a escola e saqueá-la, a exemplo do que já ocorreu na Escola Estadual Flanklin de Menezes, Escola Municipal Helder Fialho, Escola Estadual de Outeiro, Escola Bosque e Escola Estadual Geni Gabriel, todas no DAOUT.

A Escola Brasília está em reforma, e em setembro do ano passado funcionários passaram por momentos de terror. Além de terem seus pertences subtraídos por assaltantes fortemente armados, que verbalizaram que não os assassinaram por que não quiseram, continuam tendo que conviver com ameaças constantes.

A direção da unidade de ensino encaminhou para a Seduc ofício no último dia 24.11 solicitando destacamento policial, para que a mesma dê apoio e segurança, visto que a justificativa da delegacia do bairro ao ser informada da nova onda de violência foi de que não tem como garantir segurança 24 horas em uma única escola, pois precisa atender às demandas de toda a região. A comunidade aguardará imediatas providências.

Vale destacar que fora os prejuízos ao patrimônio educacional e bens públicos, alunos, professores e funcionários estão expostos a sérios riscos e cabe ao poder público tomar uma atitude. Especialmente se considerarmos que a situação do agravamento da violência não se restringe ao distrito do Outeiro e está expondo toda a sociedade.

Desde 2010 a comunidade do Outeiro realiza reuniões com autoridades para cobrar ações que contribuam para solucionar a onda de violência. A maioria delas ocorreu na EE. Geni Gabriel, e o então deputado estadual Edmilson Rodrigues (PSOL), hoje deputado federal, foi o único parlamentar a se solidarizar e contribuir com a comunidade, requerendo uma Seccional para o Outeiro, já que tem demanda de violência na comarca.

No município de Ananindeua, cidade vizinha da capital paraense, a situação é igualmente lastimável. A Subsede do Sindicato informou que na noite de ontem (26) mais uma vez houve assalto na escola Gondim Lins, em uma das salas de aula. Uma professora se machucou, pois a empurraram e a mesma caiu e bateu a cabeça.

Hoje, 27, às 10h00, a comunidade se reuniu para decidir ações coletivas que serão brevemente divulgadas. A categoria relembra que na assembleia geral que ocorreu na Escola Cordeiro de Farias no dia 29.10 foi feita a denuncia de que tanto o Gondim Lins, quanto a Escola Lucy Correa, ambas na área da Cidade Nova haviam sido assaltadas em um intervalo de apenas uma semana.

No dia 12.11 as escolas do município realizaram protesto em frente ao Ministério Público Estadual – sessão Ananindeua para exigir melhorias na educação e segurança, o órgão se comprometeu em responder até o próximo dia 01.12. Na manifestação estiveram ainda estudantes das escolas Manoel Saturnino e Francisco Mendes, também em Ananindeua.

O Sintepp através da Coordenação Jurídica, em parceria com a Coordenação de Comunicação, está realizando um levantamento das reclamações de violência na educação para denunciar aos órgãos de controle social que defendem os direitos e garantias dos seres humanos e cuidam da proteção e social governamental e não governamental, objetivando responsabilizar Simão Jatene (PSDB), governador do Estado do Pará, e suas secretarias para o cumprimento de suas responsabilidades.

Sintepp Sindicato

Read Previous

EXIGIMOS A PERMANÊNCIA DO PROFº ANDRÉ LUIZ NA E.E. JOSÉ ALVES MAIA

Read Next

Comunidade exige inauguração imediata da Escola Edson Luís

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *