1º maio em Belém: "Eu luto pela educação!"

Trabalhadores em educação da rede estadual em greve participam de ato em Belém

Sindicatos, centrais sindicais e associações de trabalhadores do setor público e privado se concentraram na manhã deste 1º de maio em São Brás. A data histórica movimento social por internacionalmente representar a luta por melhores condições de trabalho defesa dos direitos trabalhistas.

O Sintepp convocou a categoria para se concentrar no Mercado de São Brás e seguir em caminhada até a Praça da República. Este foi o local escolhido pela maioria das entidades que não se rendem aos governos e questionam as políticas de ajuste fiscal que oneram cada vez mais os setores públicos e privados.

Exemplo mais atual que foram as ameaças de retirada direitos conquistados pelos servidores públicos, através da coragem dos trabalhadores brasileiros e organização de entidades sindicais. O PL das terceirizações respalda uma prática de exploração trabalhista que deveria ser dizimada do país. No entanto o projeto segue em debate no Congresso Nacional, e a classe trabalhadora estará atenta e disposta a impedir que o Governo Dilma (PT) a concretize.

Tais prenúncios servem apenas de abertura para governos como de Jatene/Helenilson (PSDB) que no Estado do Pará, depois de 35 dias de greve, interromperam as negociações sem dar respostas para pendências da campanha salarial 2015 centradas neste momento nas pautas de reforma das escolas, jornada digna, unificação do PCCR e pagamento retroativo do piso nacional, em atraso desde o mês de janeiro.

O Sintepp aproveitou ainda o ato do 1º de maio para denunciar as ameaças de corte de ponto dos grevistas e as pressões sofridas pela categoria através do pedido de abusividade do movimento, protocolado pela Procuradoria Geral do Estado junto ao Tribunal de Justiça do Pará. Além de mais uma vez, registrar o ataque midiático promovido pelo grupo ORM, e patrocinado por recursos públicos administrados pelo Estado. A categoria volta a se reunir em assembleia geral nesta segunda-feira, 4, na EE. Cordeiro de Farias para avaliar o movimento

Além da rede estadual, o sindicato indica paralisação nos municípios de Ananindeua, Itaituba, Mocajuba e Tucuruí. Ainda foi demonstrada solidariedade aos demais estados federativos que enfrentam greve e registrado luto pela educação contra a ação covarde do governo Beto Richa (PSDB) no Paraná, que deixou mais de 200 trabalhadores em educação feridos durante ato no último dia 28.04.

*1 de maio é o Dia do Trabalhador, data que tem origem a primeira manifestação de 500 mil trabalhadores nas ruas de Chicago, e numa greve geral em todos os Estados Unidos, em 1886. Três anos depois, em 1891, o Congresso Operário Internacional convocou, em França, uma manifestação anual, em homenagem às lutas sindicais de Chicago. A primeira acabou com 10 mortos, em consequência da intervenção policial. São os factos históricos que transformaram 1 de maio no Dia do Trabalhador. Até 1886, os trabalhadores jamais pensaram exigir seus direitos, apenas trabalhavam. (fonte:http://pt.euronews.com/2015/04/30/significado-e-historia-do-1-de-maio-dia-do-trabalhador/)

11212270_1061080627239425_2022448731_n

Sintepp Sindicato

Read Previous

Governo interrompe mesa de negociação com a categoria

Read Next

Manter a unidade para avançar nas conquistas

6 Comments

  • Companheiros, até agora não entendi porque o sintepp não pediu para a justiça julgar um dicídio coletivo entre o sindicato e o governo? e outra questão, se é legal 40 horas semanais por que o governo fala em 150 horas em sala de aula? sendo assim os cauculos serão feitos em cima de 150h?.

    • Os servidores públicos não têm dissídio coletivo professor….

      • Ainda bem que não tem! Já pensou deixar as decisões na mão de um juiz que poderia formular uma ou mais propostas visando a conciliação? A situação poderia ficar ainda pior.

  • O sindicato não vai pedir via justiça o direito de resposta, sobre aquela propaganda mentirosa de que recebemos inicialmente R$ 5.000,00. Isso é uma humilhação!!!

  • Qto ao pedido de abusividade da greve: ja foi dada posicao favoravel ao governo? Pela lei podem bloquear nossos pagamentos? Ha alguma reuniao marcada para nova negociacao?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *