Categoria diz não a proposta de redução de salários de Jatene|Helenilson

Baixe aqui a versão em pdf

O Sintepp informa que os trabalhadores em educação da rede estadual, reunidos em assembleia geral na manhã desta quinta-feira (23), na EE. Cordeiro de Farias decidiram por unanimidade pela manutenção da greve.

Ontem (22), durante a audiência no TJE|PA entre o Sindicato e governo, mediada pela desembargadora, Gleide Moura, os representantes do governo não recuaram nas proposições de atacar os direitos dos trabalhadores em educação.

O governo insiste em responsabilizar os educadores e propagandeia que busca consenso, porém a falta de diálogo e responsabilidade com a comunidade escolar parte do poder público. Em resumo, e mesmo diante da insistência do Sintepp em trabalhar ponto a ponto um enxugamento da pauta, o governo se manteve inflexível.

Ao final da tarde de ontem (22), o governo propôs reunião da categoria que aconteceu pela manhã de hoje (23). Representantes do Sintepp, do comando de greve e a Assessoria Jurídica do sindicato participaram da reunião ocorrida na SEAD em que estiveram presentes o secretário de educação, Helenilson Pontes e a secretária de administração, Alice Viana.

Observe os principais pontos debatidos na reunião:

JORNADA/LOTAÇÃO

O governo pela primeira vez recuou nas suas proposições, apresentando uma proposta de lotação em que asseguraria uma lotação com até 220h em efetiva regência, passando a considerar o Art. 7º da lei 8030/14, podendo em casos excepcionais autorizar extrapolação além deste limite.

O governo também mantém a posição de aplicar os 25% atualmente aplicados de Aula Suplementar.

PAGAMENTO DO PISO

O governo confirma o pagamento do Piso a partir deste mês. Entretanto, foi afirmando pelo governo que o pagamento sairá apenas com a jornada, sem as aulas suplementares. Apontam a possibilidade de pagar a diferença das aulas suplementares a que o professor fizer jus neste mês em folha suplementar até o dia 15 de maio, mediante agilização da lotação de 2015.

RETROATIVO DO PISO

Apesar da categoria ter apresentado uma contraproposta de pagamento do retroativo em três parcelas, o governo apresentou uma proposta de quitação pelo governo em 18 meses, sendo o primeiro pagamento em setembro.

REFORMA NAS ESCOLAS

O governo se comprometeu em apresentar um cronograma de reforma nas escolas até o final do mês de abril. Ou seja, o governo não apresentou uma proposta concreta em suas proposições, como por exemplo, o cronograma definido para a reforma das escolas. E o sindicato voltou a cobrar em mesa tal divulgação. 

PCCR UNIFICADO

Com relação ao PCCR unificado, não se avançou para o encaminhamento do projeto de imediato para Assembleia Legislativa do Pará (como esperam os trabalhadores e versa o acordo de 2013, que apontava o prazo máximo até abril do ano passado). O governo propôs retomar o debate nas mesas de negociação permanentes. A categoria confirmou na assembleia que espera que até a próxima negociação o governo estabeleça um prazo mínimo para enviar o projeto do PCCR Unificado para a Alepa.

 

A greve é legal. Diga não ao assédio moral

Mesmo com um acordo judicial em mãos, assinado em 2013, o judiciário paraense não conseguiu mediar às divergências nos pontos cruciais que apontam para um possível fim no movimento grevista.  A equipe jurídica do sindicato assegurou que a própria desembargadora Gleide Moura confirmou que não existem elementos para abusividade do movimento como sugeriu a PGE, considerando-se assim a greve legal.

Portanto, nossa categoria não deve se submeter à nenhuma ameaça e assédio que possam vir a ser praticados pelos representantes do governo, até por que, mesmo que a greve já tivesse sido declarada abusiva, caberia recurso desta decisão.

 
AGENDA de Greve. Mobilize os colegas e organize sua escola
24|04 (SEXTA-FEIRA)
Panfletagem em feiras e mercados e municípios.
DAICO|DAOUT: Feira da 8 de maio (em frente a Farmácia Extrafarma), 08h.
 
26|04 (DOMINGO)
9h
Atividade Cultural/Aula pública
Pça da República (Belém)
 
27|04 (SEGUNDA)
REUNIÕES DISTRITAIS (Belém)
DAMOS, 09h – EE. HONORATO FILGUEIRAS
DAENT, 09h – EE. CORDEIRO DE FARIAS
DABEL, 09h – EE. DEODORO DE MENDONÇA
DABEN, 09h – EE. RAIMUNDO VIANA
DASAC, 09h – EE. JOSÉ ALVES MAIA
DAGUA, 09h – EE. ZACARIAS DE ASSUNÇÃO
DAICO/DAOUT, 9h – EE. PALMIRA GABRIEL
 
28|04 (TERÇA)
8h
Ato público, em frente ao Hangar (Av. Dr. Freitas)
 
29|04 (QUARTA)
9h
Assembleia geral, EE. Cordeiro de Farias
 
O Comando de Greve confirma paralisação em 94% das escolas, suspensão das aulas em 122 municípios e divulgará em breve as agendas de mobilização das regionais.
1. CSC_03614.1.DSC_03922.1. DSC_02633.1 DSC_03105.DSC_02934.DSC_0278

Sintepp Sindicato

Read Previous

Eleição: "Só um sindicato democrático utiliza eleições proporcionais e qualificada"

Read Next

Trabalhadores em educação do estado pedem a saída de Helenilson Pontes

11 Comments

  • Assim me orgulho de ser professor: vendo a categoria unida. Desde quando a SEDUC agiliza algo em prol do professor? Folha suplementar? Em 18 parcelas? Balela, balela, balela! Vamos continuar a luta!

  • Parcelamento em 18 vezes??? Um ano e meio para receber um valor que é garantido por lei em parcelas como se fosse pagamento a longo prazo de móveis e eletrodomésticos??? Que falta de respeito!!!! É a isso que chamam de valorização do professor e do magistério??? Já não basta a falta de condições, materiais e infra estrutura para o profissional do magistério exercer as suas funções??

  • Sabe o que é isso? Eles estão pegando dinheiro emprestado da gente. Veja bem: Não nos pagam o piso nacional de Janeiro, Fevereiro e Março, ou seja, em três meses de atraso, e querem pagar essa quantia em 18 meses e a partir de Setembro. Vamos cobrar os juros desse empréstimo pessoal.

  • Aceitar o pagamento sem aulas suplementares é um absurdo e, principalmente o retroativo em 18 longos meses. Espero sinceramente que a nossa categoria não aceite essa esmola.

  • É isso mesmo. O Sintepp não pode abrir mão da Unificação do PCCR. O governo fará de tudo pra não enviar o plano para aprovação da Alepa. Já faz mais de um ano que ele prometeu e não cumpriu. As outras pessoas que trabalham na escola merecem ser tratados como trabalhadores da educação também.
    Insistam nessa luta pela unificação do PCCR!

  • esses professores nessas fotos, são só filiados do PT pois isso tem a cara e o jeito deles, revolucionários, chavistas, comunistas kkkkkk

  • Acredito que devamos persistir na luta por melhores condições salariais e de trabalho. Não é factível que tenhamos entrado nessa greve histórica (direito legítimo), sem a possibilidade de ganhos reais, no que se refere aos nossos salários, PCCR, jornada, reforma das escolas etc. Todas as demais categorias tiveram aumento de 8,5% e nós precisamos, lamentavelmente, exigir do Estado a implementação de nosso piso (o qual ainda não foi pago desde janeiro). Nós, professores, somos todos pais e mães de família, temos os nossos compromissos e dívidas com plano de saúde (do Estado), empréstimos (contraídos em banco do Estado), alimentação, transporte, habitação (muitos pagam apartamento ou casa alugada). Como arcar com tudo isso se não tivermos aumento? Vivemos uma realidade alarmante: aumento de combustível, alta na energia elétrica, botijão de gás…a crise está instaurada. Estamos lutando pelo mínimo necessário a nossa sobrevivência e de nossos familiares.

  • Ninguem pode fraquejar agora. O governo está gastando dinheiro público divulgando notícias mentirosas na tentativa de jogar a população contra nossa categoria, mas não deixaremos o Jatene ganhar. Temos que ter vergonha na cara e hombridade e não aceitar ameaças e chantagens, que são armas principais desse governo safado.

  • Esse governo não que presta. Apoiarei a greve dos professores.
    Mas certamente nos Alunos da rede pública seremos afetados com aissoa greve e teremos que vira o ano estudando como os anos anteriores. Como é pra melhoria das escolas também muitomuitasos alunos apoiam essa greve dos professores.

  • Como vão ficar os professores lotados nos espaços pedagógicos? Governo quer reduzir carga horária e ainda acabar com as aulas suplementares. Assim estamos ferrados.

  • sou aluno e apoio a greve dos professores porque eu sei que é por direito de voces que voces estão lutando mas eu sei que os alunos serão prejudicados mais sou a favor de voces

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *